E-commerce: tudo que você precisa saber antes de criar o seu

E-commerce, abreviação de electronic commerce, pode ser traduzido como comércio eletrônico.

 

Basicamente, um e-commerce é uma loja virtual que só vende produtos de uma determinada empresa — diferentemente dos marketplaces, uma plataforma na qual diversas empresas podem vender seus produtos.

 

Por isso, se você é um lojista à procura de mais informações sobre como funciona um e-commerce, agora é a hora!

 

Neste artigo, você aprenderá sobre:

  • O que é um e-commerce
  • Diferença entre e-commerce e marketplace
  • Importância do e-commerce
  • Tipos de e-commerce
  • Estratégias de Marketing Digital para e-commerce
  • Métricas de e-commerce

Vamos começar?

O que é um e-commerce?

Antes de tudo é preciso entender o que é um e-commerce. E pasme! Muita gente não sabe a definição correta para esse canal tão importante para as vendas.

 

Um e-commerce só pode receber esse nome quando os produtos disponíveis no mesmo forem de uma única empresa (fornecedor ou fabricante) e estejam cadastrados em uma plataforma virtual própria.

 

Além disso, é importante lembrar que no e-commerce não há intermediador para o processo de vendas.

Quais são as diferenças entre e-commerce e  marketplace?

ecommerce-marketplace

Para que não fique nenhuma dúvida pra trás, é bom saber as principais diferenças entre os e-commerces e marketplaces.

 

O marketplace funciona com a comercialização de produtos das mais diversas marcas e intermedia todo o processo de venda e pagamento entre o fornecedor e o comprador.

 

É uma ótima opção para quem já possui uma loja física, mas ainda não consegue investir em um e-commerce próprio. O marketplace é uma das alternativas mais atraentes, já que é simples de gerenciar: basta fazer um cadastro e catalogar os produtos.

 

Basicamente, é como se você estivesse alugando um espaço em um shopping center para montar a sua loja; mas, nesse caso, o valor do aluguel não é fixo e varia de acordo com o número de vendas feitas no mês.

 

Em contrapartida, o e-commerce te dá mais liberdade — já que você pode definir toda a estrutura e design da sua loja virtual. Como falamos, no caso dos e-commerces, você precisa contar com produtos que dizem respeito apenas a uma única empresa (fabricante ou revendedor).

 

Por isso, se você precisa de uma alternativa mais escalável, o e-commerce é uma boa opção.

Por que é importante ter um e-commerce?

O e-commerce trata-se de um canal de vendas que tem se tornado cada vez mais comum — assim como o crescente número de vendas que são realizadas através dele.

 

E os dados provam isso:

 

Segundo a 35ª edição do Webshoppers, estudo de maior credibilidade sobre os e-commerces brasileiros e realizado pela Ebit 2011, o e-commerce brasileiro faturou cerca de R$44,4 bilhões — obtendo um crescimento nominal de 7,4%.

 

Apesar da grande instabilidade política e econômica que assolou o país no ano passado, o comércio eletrônico caminhou na contramão do resto do mercado — e diversos fatores podem explicar isso.

 

Além da praticidade e conforto que realizar uma compra online propicia, a popularização do uso de dispositivos móveis para realizar alguma compra virtual também justifica o crescimento.

 

Em 2016, 21,5% das transações foram realizadas através de um smartphone.

 

No Brasil, 48 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra em 2016, representando assim, um aumento de 22%, se comparado a 2015. Ebit – Webshopper 35ª edição.

relatorio-ebit-ecommerce

E para retificar ainda mais as vantagens de ter um e-commerce, podemos fazer uma rápida comparação com o comércio físico. Segundo o IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o varejo físico encolheu 10% nos últimos dois anos.

 

Isso não quer dizer que você deve abandonar sua loja física, mas sim que contar com o apoio de um e-commerce é uma ótima forma para aumentar as vendas e levantar a popularidade da sua marca.

Os tipos de e-commerce

Agora que você sabe o que é um e-commerce e conhece as vantagens de ter um, é importante compreender algumas das principais categorias de e-commerce que você pode explorar em seu negócio. Veja só!

B2B: Business to Business

O e-commerce B2B (Business-to-Business) é aquele que vende para outras empresas. Ou seja, é um canal de vendas para empresas comercializarem seus produtos para outras empresas.

 

Nesse canal, os produtos comercializados geralmente são maquinários ou matérias primas — apesar de poder vender também alguns produtos acabados.

 

Diferentemente das transações realizadas no B2C, o e-commerce B2B exige um sistema mais complexo e precisa estar preparado para trabalhar com variáveis.

 

Isto é, o valor dos impostos, frete, regras de pedido mínimo, aprovação de cadastro, limite de crédito, tabela de preços, condições e meios de pagamento e etc. Ou seja, todos esses fatores precisam ser analisados pelo sistema.

B2C: Business to Client

Nesse caso, o e-commerce B2C alcança e comercializa diretamente com o cliente final. Além de claro, ser permitida a multiplicidade de categorias e serviços. Como você pode conferir abaixo, não há limites para os tipos de produtos que podem ser vendidos nesta categorias.

categorias-mais-vendidas-ecommerce

 

E-commerce Atacadista

O e-commerce atacadista comercializa produtos em altas quantidades e, por isso, uma de suas principais barreiras é quanto a logística de entrega.

 

Por esse motivo, é comum que esse tipo de e-commerce ofereça a possibilidade de compra online e retirada em loja física.

E-commerce Varejista

O e-commerce varejista é um dos mais populares. Basicamente, ele trabalha com vendas em pequenas quantidades — pois não possui um grande estoque de produtos como o atacadista, o que pode causar certa preocupação para os lojistas.

 

Por isso, é preciso contar com um sistema de vendas que seja integrado ao controle de estoque, para evitar a realização de vendas que não poderão ser atendidas.

Estratégias para adotar no seu e-commerce

estrategias-marketing-para-ecommerce

Além de se preocupar com a qualidade, logística e entregabilidade dos seus produtos, é importante pensar em como os seus clientes chegarão até a sua loja ou em como você chegará até os seus possíveis compradores.

 

Para isso, contar com boas estratégias de Marketing Digital pode ser uma boa forma de potencializar o seu e-commerce. Abaixo você confere os principais serviços que podem ser adotados em seu e-commerce.

E-mail marketing

Mais importante do que atrair novos clientes é fidelizar aqueles que você já tem. Por isso, é imprescindível a adoção das estratégias de e-mail marketing em seu planejamento.

 

Planeje sua estratégia de e-mail marketing em 5 passos

 

O e-mail marketing é um dos canais que tem o poder de estreitar o relacionamento entre a empresa e o cliente.

 

Ao fazer uso desse serviço, é possível disseminar conteúdo acerca dos seus produtos, informando e educando seus clientes cada vez mais. A consequência é o reconhecimento da sua marca como referência em determinados assuntos.

 

Além disso, você também pode investir nos serviços de e-mail marketing para enviar ofertas segmentadas — aumentando assim o seu número de vendas.

 

Também é importante contar com uma ferramenta de automação de e-mail marketing — para facilitar a segmentação, acompanhamento e análise das métricas.

Marketing de Conteúdo

Ter um blog caminhando junto com o seu e-commerce também é extremamente importante. Além de educar o seu cliente para facilitar o processo de compra, é imprescindível para aumentar o tráfego do seu e-commerce.

 

Os usuários estão cada vez mais exigente e, na internet, ele passa a consumir algo que é seu antes mesmo de realizar uma compra: suas informações.

 

Ninguém compra algo, ainda mais se for pela internet, sem comparar os preços e buscar informações sobre o produto desejado.

 

Por isso, procure falar do seu produto de forma mais didática e simples possível, explicando a forma de usar, como e onde ele é propício e informações similares.

 

Vamos a um exemplo:

 

Suponhamos que você vende artigos esportivos. Nesse caso, você pode explicar quais são os benefícios da corrida, a importância de manter uma rotina de exercícios diariamente e etc.

 

Dessa maneira, o seu discurso se torna mais persuasivo e o usuário passa a identificar que ele tem um problema e que a solução dele é a compra de um determinado produto do seu e-commerce, como um tênis, por exemplo.

 

Além disso, você não precisa criar conteúdo somente em forma de texto, mas sim produzir vídeos sobre os seus produtos, webinars com especialistas sobre o assuntos, e-books e etc.

 

Para disseminá-los, aposte em newsletters, posts em redes sociais, blog e claro, sempre conte com a ajuda de uma boa landing page — para que os usuários possam deixar seus dados em troca dos conteúdos que ele está interessado.

SEO

SEO é um conjunto de técnicas de otimização para blogs, sites e páginas da web que visam alcançar bons rankings orgânicos nos mecanismos de busca — gerando mais tráfego e autoridade para determinado blog ou site.

 

Para que uma estratégia de SEO seja eficiente, é preciso realizar algumas pesquisas para descobrir quais palavras são mais utilizadas quando os usuários buscam por algo do seu nicho nos mecanismos de busca (Google, Yahoo, Bing, etc.).

 

Depois disso, é preciso inseri-las (da forma mais natural possível) no seu site e no conteúdo. Caso possível, incluí-las nos títulos das páginas de categoria e de produtos do seu e-commerce.

 

Dessa maneira, os robôs do Google avaliam o seu site com mais facilidade e oferece a sua loja como uma das principais soluções aos usuários que fazem pesquisas sobre o seu nicho.

 

A consequência desse trabalho é um alto número de visitas no seu e-commerce, além de bons resultados orgânicos, fazendo que com você reduza os seus custos com mídia paga.

Mídia paga

Mídia paga, como o próprio nome já diz, consiste em estratégias de exibição de produtos e serviços de uma determinada marca que são exibidas em troca de um pagamento.

 

Hoje em dia, existem duas empresas que são especialistas quando o assunto é mídia paga: Facebook (Facebook Ads) e o Google (Google AdWords).

 

A vantagem dessas empresas é que, mesmo com pouco budget disponível, é possível criar e rodar campanhas — já que elas não possuem valor mínimo e podem ser pagas de diversas formas.

 

Ambas ferramentas possuem objetivos e logísticas distintas, mas se usadas em conjunto e de maneira correta, te ajudam a aumentar a taxa de conversão do seu e-commerce e a popularidade da sua marca.

Métricas para acompanhar

metricas-ecommerce

Todo negócio exige um acompanhamento de resultados constante — e no e-commerce não é diferente. Afinal, essa etapa é essencial para avaliar o que está ou não dando certo e o que deve ser alterado para melhoria do processo.

 

Dentro desse processo, existem diversas métricas para acompanhar (que variam de acordo com cada objetivo) e, cá entre nós, seria impossível acompanhar todas elas com efetividade. Por isso, separamos as mais relevantes e que você precisa ficar de olho logo abaixo.

Visitas únicas X visitas recorrentes

Ter muitas visitas no seu site nem sempre é um bom sinal. Por isso, é preciso avaliar o número de visitas únicas bem como o de visitas recorrentes.

 

Fique atento! Se o número de visitas únicas for maior que o de visitas recorrentes é sinal de que pode haver algo de errado no que diz respeito à navegação do seu site.

 

Outra maneira de avaliar as visitas é considerar a média de tempo que o usuário passa no seu site, além de verificar quantas páginas são visitadas.

Fonte de tráfego

Saber que os usuários estão acessando o seu e-commerce é uma ótima notícia, mas saber qual estratégia está servido de isca para as mesmas é melhor ainda. SEO, mídia paga, blog ou e-mail marketing?

 

Para que suas estratégias tenham ainda mais sucesso, é necessário descobrir o que tem sido mais eficiente para atrair os usuário e claro, explorar essa técnica ao máximo.

Abandono de carrinho

Sem dúvidas o abandono de carrinho é uma das métricas mais importantes para acompanhar. Por isso, é preciso avaliar quantos usuários colocam produtos no carrinho e não finalizam a compra — e entender o porquê disso estar acontecendo.

 

6 dicas de como tornar o processo de pagamento fácil para seus clientes

 

Na maioria das vezes, o abandono de carrinho pode acontecer por dois motivos: valor do frete e tempo de entrega.

 

Por isso, se você identificou que o valor final da compra, calculado com o frete, pode ser o motivo dos abandonos, avalie a possibilidade de oferecer frete grátis para esses clientes.

 

Mas, se você identificou que o problema para tanto abandono de carrinho é quanto ao tempo de entrega, procure fazer acordos com as transportadoras parceiras — visando a otimização da entrega desses produtos.

Competitividade de preços

Um dos principais fatores que faz com que as pessoas optem por fazer a compra pela internet é o preço — já que, na maioria das vezes, ele é menor do que o oferecido nas lojas físicas.

 

No entanto, existe uma competitividade de preço muito alta entre os e-commerces e, por isso, é preciso pensar em formas de fazer com que o seu e-commerce saia na frente.

 

O ideal é fazer ações rotineiramente. Dessa maneira, além de alcançar um bom número de vendas, você alcança novos usuários e, a partir deles, pode pensar em formas de como fidelizá-los.

 

Gostou do artigo e quer saber mais? Então confira o nosso post sobre plataformas de e-commerce e saiba como escolher a melhor para o seu negócio!

2017-10-09T18:00:29+00:00 By |Omnichannel|

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário